3 virtudes que modelam a comunicação do porta-voz

Tempo de leitura: 1 minuto

De nada adianta aprender técnicas se, na prática, elas não vão funcionar, porque é preciso trabalhar o comportamento. Para que a comunicação seja efetiva e verdadeira, é necessário se desenvolver internamente e praticar virtudes.

Confira 3 das virtudes fundamentais para que o porta-voz administre bem o momento da entrevista e tire proveito positivo pra si e para a marca.

PACIÊNCIA:
– O jornalista pode não ter o conhecimento necessário para o melhor rendimento da entrevista e você, porta-voz, terá que ensiná-lo, como um professor.

– O repórter pode ter que encerrar a entrevista rapidamente, porque foi chamado pela redação para fazer outra matéria e, você que desejava tempo para conversar com ele, terá que esperar por outra oportunidade.

– A matéria não saiu exatamente como você previa e a vontade é ligar para a redação para reclamar. Não se exponha, isso é tarefa para a sua assessoria de imprensa.

HUMILDADE:
– Cumprimentar a todos da equipe de reportagem é o mínimo que você pode fazer para se mostrar humano. Não julgue pelas aparências.

– Se você é político ou empresário e o seu negócio tem alguma relação com o veículo de comunicação que o entrevista, não tente dirigir a entrevista. A relação comercial ou política não pode influenciar o jornalista que conversa com você. Trate de possíveis privilégios diretamente com o dono do veículo ou editor chefe e preserve o jornalista de comportamento autoritário.

EMPATIA:
– Entender a rotina do jornalista facilita bastante o relacionamento entre vocês.

– Não levar a pergunta, mesmo que se for uma alfinetada, para o pessoal, também evita reações agressivas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *