Entrevista para a imprensa: você tem medo de quê?

Tempo de leitura: 2 minutos

Você já parou para pensar por que, invariavelmente, confessa ter medo de algo? Já teve a oportunidade de analisar o que promove alguns tipos de medo? Peço licença para puxar uma conversa rápida a esse respeito. Se você tem medo de ser assaltado, você tem toda razão, porque nós e toda a sociedade estamos reféns de situações de violência, concorda? Mas se tem medo de dar entrevistas para a imprensa, proponho o desafio de refletir sobre os aspectos que levam você a agir defensivamente quando precisa apresentar assuntos da instituição que representa para jornalistas.

Frequentemente algum porta-voz expõe essa preocupação nos treinamentos, mas uma confissão em especial me surpreendeu. Ao explicar sobre os cuidados que um porta-voz deve ter durante uma entrevista jornalística, fui interrompida por um rapaz, que disse: “Eu tenho medo de dar entrevista para a imprensa”. Gostaria de compartilhar com você a observação que fiz a ele e que reflete nossa reação ao desconhecido: todos nós temos medo do que não conhecemos. Assim que nos rendemos ao desconhecido, que passa a ser familiar, nos dispomos a enfrentar certas situações, para as quais antes fechávamos as portas, exatamente por que nos enchemos de autoconfiança. E a conquista da segurança pessoal passa por alguns fatores especiais; acompanhe comigo e raciocine se também funciona assim com você:

• Primeiro você toma a decisão de enfrentar a situação de dar entrevistas
• Você se prepara antecipadamente, consulta informações que julga relevantes, faz uma oração talvez, respira fundo algumas vezes para se acalmar e acredita que vai conseguir se sair bem
• Durante a entrevista você se dispõe a ouvir o jornalista para entender o que ele deseja e se mostra solícito ao apresentar as informações
• Ao final da tarefa entende que fez o melhor que poderia e, quando assiste, ouve ou lê a entrevista ou reportagem, fica satisfeito com o próprio desempenho e comemora os resultados
• Por fim, deseja repetir a experiência para exercitar mais

Sua postura caminha da forma como descrevi ou mais ou menos igual? Se ainda não seguiu esse roteiro, adote-o e faça bom proveito. De uma maneira simples, mas verdadeira consigo mesmo, usando essa lista você executa um planejamento muito parecido com um plano de negócios, que talvez você domine, não é mesmo? Determina uma meta, lista as tarefas que precisa desenvolver para chegar ao objetivo, encara o desafio e ao perceber que conseguiu resultados, continua tentando, de forma persistente, até que descobre o talento para aquilo.

É assim ou não é? Dar entrevistas é isso: um exercício prático de tentativa e erro (quanto menos erros melhor, claro, afinal erros de postura numa entrevista podem até levar a crises de imagem) que você só vai driblar com tranquilidade quando resolver que é hora de começar. Posso ajudar em algo mais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *